Feiras E Congressos Alavancam A Indústria E Fomentam A Cultura Canábica

International Cannabis Business Conference Berlin 2021

This article was originally published by Poder360 and republished here with special permission from the author

By Anita Krepp

Cursos e workshops extraoficiais oferecidos por empreendedores autônomos que viajam para participar do evento principal criam agenda paralela com aulas de cultivo, culinária e extração

Se, mesmo depois de tantos anos, o mistério sobre quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha, ainda não foi definitivamente solucionado, questões de mesmo cunho filosófico, como quem surgiu primeiro, a cultura ou a indústria da cannabis, também estão longe de serem elucidadas. No entanto, uma coisa é certa, a indústria só encontra terreno fértil para crescer e prosperar em uma cultura vibrante e ativa em torno da planta, duas características que as feiras e congressos canábicos cultivam há quase duas décadas, e vem se fortalecendo significativamente de dois anos para cá.

Talvez seja por isso que você anda recebendo cada vez mais convites para participar desse tipo de evento. A indústria já percebeu que o caminho para gerar mais lucro é apostar na formação e no networking de seus atores e consumidores, especialmente por se tratar de um nicho que carece de um rebranding para afastar os antigos preconceitos e de muita educação sobre o que ele de fato é. E apesar do enorme desafio imposto aos realizadores destes eventos durante o confinamento na esteira da pandemia, a indústria seguiu se reunindo e debatendo, ainda que nos últimos meses apenas virtualmente.

Com a volta gradual à normalidade, os eventos presenciais devem reunir um público ainda maior do que em 2019, aposta Alex Rogers, fundador da International Cannabis Business Conference (ICBC), uma rede internacional de conferências B2B, especialmente porque a maioria das pessoas passou a maior parte do tempo trancafiada em casa e não vê a hora de encontrar seus pares. Mesmo todas as facilidades de um encontro por vídeo não substituem o “cara a cara” na hora de fechar um contrato milionário — somente na ICBC de 2019, os negócios fechados superam os 100 milhões de dólares. Por isso mesmo, Rogers prepara um espaço de 65 mil m2, o maior até então, para receber mais de 5 mil pessoas na próxima edição, que acontecerá em Berlim, em julho de 2022.

Em meio a centenas de eventos espalhados pelo mundo, alguns de destacam ao catalisar investidores, empresários, produtores e também o público em geral. Um deles, quiçá o de maior expressividade, ocorre na América Latina. O Expocannabis Uruguai acontece no início de dezembro e vem ganhando relevância por se tratar de um país pioneiro na legalização da substância. Isso possibilita, entre outras coisas, o contato direto do público com plantas e flores de cannabis, inclusive com altas concentrações de THC, algo que não é oferecido em nenhum outro lugar, devido às restrições regulamentares ao canabinóide psicoativo.

“Sentir o cheiro da erva e poder sair para uma área reservada dentro do evento para acender um ´baseado´é o tipo de experiência única da Expo Uruguai”, garante Meche Ponce de León, idealizadora e produtora da feira que, desde a primeira edição, em 2014, recebe centenas de brasileiros, que representam o maior público estrageiro. Mas, afinal, o que é que nós vamos buscar na grama do vizinho — que, neste caso, diga-se, é sim infinitamente mais verde? A resposta é simples: experimentar, nem que seja por alguns dias, o gostinho de viver em um ambiente legalizado. Aliás, legalizado e inspirador. Ao passear por vários estandes de empresas de fertilizantes, parafernalhas para autocultivo, óleos medicinais e até banco de sementes, parece que um mundo novo vai surgindo, repleto de possibilidades de negócios que impactariam diretamente a economia não só do país, mas também de gente criativa, ávida por empreender num nicho tão promissor.

Além disso, feiras como essas contam com espaços de socialização, com música e comida, além de um auditório para as conferências e bate-papos a respeito das novidades do mercado, o que envolve saúde, indústria e uso recreativo da erva. Discussões, por exemplo, sobre os efeitos de uma enorme variedade de cepas (espécies de flores de cannabis) que você provavelmente nem sabia que existiam são comuns e muito disputadas.

Legalização não é nada sem cultura

É claro que feiras e congressos são importantes em qualquer outro setor da indústria, mas, quando se trata do incipiente ecossistema da cannabis, são alçadas a um protagonismo único, assumindo um papel fundamental em articulações que envolvem a pressão sobre autoridades, a viabilização de movimentos sociais e a luta dos pacientes, pautas fundamentais para a estruturação e o desenvolvimento do mercado. Estes espaços de promoção do acesso à informação e conhecimento se tornaram cruciais para que potenciais consumidores saibam aquilo que têm à sua disposição, o que naturalmente cria novas demandas de venda.

Somos todos ainda ignorantes — em menor ou maior grau — nos assuntos relacionados à cannabis. Há pouco tempo atrás, até o maconheiro mais raiz pensava que os fungos do prensado paraguaio, o típico “tijolinho de maconha”, modalidade mais difundida no varejo do uso recreativo e de qualidade algo duvidosa, potencializavam os efeitos da erva, quando, na verdade, causam danos ao pulmão. Tamanho equívoco se deve a uma cultura proibicionista, onde, em muitos lugares, apenas tocar no tema é tabu, o que acaba por sufocar a informação e, por conseguinte, a liberdade e as melhores tomadas de decisão. Ignorância, sim, é muito prejudicial à saúde.

Mesmo onde a indústria está legalizada, como na Colômbia, em que gigantescas estufas anteriormente voltadas ao cultivo de rosas agora são destinadas à cannabis, a falta de uma cultura canábica consolidada impossibilita o surgimento de negócios como distribuidores, growshops e bancos de semente, fazendo, assim, com que o debate social seja uma coisa meio morna, e o país seja um eterno predestinado à exportação de insumos. É o resultado que se obtém ao desprezar o potencial crescimento econômico promovido pela cultura da cannabis.

Cultura essa que, aliás, pode mudar de rumo e apontar novos caminhos. Raúl del Pino, da Spannabis, maior evento do ramo na Espanha e um dos mais importantes do mundo desde 2002, sentiu o cheiro de oportunidade no mercado medicinal da planta e não desperdiçou a oportunidade. Ele já prepara o lançamento da CBD Business Fair, específica para produtos de CBD e cânhamo, para outubro do ano que vem.

É pena que, no Brasil, a pobre regulamentação vigente, ainda restrita aos setores abastados da sociedade, siga desprezando os potenciais industriais, econômicos e culturais da erva. Contudo, nem tudo são lástimas. Há um burburinho cultural crescente, estimulado por eventos como o Cannabis Thinking, que promove discussões pertinentes sobre o próprio ecossistema e o networking entre os players da indústria no país. Tudo, porém, sem o cheiro da erva. Aos que ficarem com gostinho de quero mais, resta dar um pulinho no país vizinho.

Agenda paralela dos eventos extraoficiais

O número de turistas brasileiros que cruzam a fronteira para visitar a expo no Uruguai cresce a cada ano, com gente ávida por, digamos, visitar um “salão do automóvel”… com automóvel. Grande parte desse público se une a iniciativas como a Rádio Hemp, que já tem dois ônibus cheios com saída marcada para dezembro, e aos pacotes de viagens oferecidos por agências de turismo canábico, como a MiCasa420. No meio dos entusiastas que pegarão a estrada, há também alguns profissionais e empreendedores canábicos. Eles aproveitam a concentração em um só lugar desse público selecionado para também comercializar seus produtos e serviços. Que sorte, não, poder trabalhar no seu ofício sem correr o risco de ser preso por isso?

Talvez, o que melhor ilustre a formação de uma cultura canábica aconteça justamente para além dos muros do evento oficial. Do lado de dentro, o público está buscando algo específico, tem uma agenda de visitação pré-definida, digamos, estando menos abertos, portanto, ao improviso. Mas, do lado de fora, acontece a mágica. Atividades mais dinâmicas, onde as pessoas se conectam de outra maneira. Todos os dias do evento principal e também nos dias prévios ou seguintes a ele, há uma agenda intensa de atividades. Caio Cézar, do canal Cozinha4e20, sonha em poder fazer uma fornada de brownie e anunciar que vai estar em alguma praça brasileira vendendo seu produto sem, necessariamente, arrumar problemas por isso. Mas, enquanto essa possibilidade não se realiza, Cézar viaja ao Uruguai, aluga uma casa e monta um menu com infusão de cannabis para receber os convidados pagantes deste jantar.

Festas, noites temáticas de drinks ou brownies com cannabis, rodízios de pizza, e tudo isso regado a muito papo que metalinguisticamente discute a própria cultura canábica gerada naquele lugar. No dia seguinte, city tour canábico e vários cursos e workshops de culinária, extração e cultivo da terra. Se, antes, os jovens trocavam figurinhas sobre qual boca de fumo era menos perigosa ou onde o fumo estava mais em conta, hoje começam a falar sobre cultivo, pH da água, substratos e técnicas de germinação. Pelo visto, a difusão da cultura canábica não só fomenta a economia, como também traz uma nova perspectiva para a garotada. Ao que tudo indica, é só questão de tempo para o famigerado prensado paraguaio virar peça de museu.

cannabis conferences

ICBC

The best in cannabis networking!

ICBC International Cannabis Business Conference
JOIN OUR COMMUNITY

© 2014- International Conferences Group | All rights reserved | Site developed and hosted by Rogue Web Works